O meu sentimento de Fortaleza em tempos de Pandemia e retorno temporário…

 

E eu que aqui neste site/blog tenho sempre compartilhado sobre as maravilhas da experimentação de culturas, cidades , países e continentes diferentes. Agora abro-lhes meu coração com tudo o que como expatriada(9 anos) sinto ao voltar pra casa depois de tanto tempo.

Reflexões sobre voltar (temporariamente até não sabemos até quando dura isto(quarentena)…E depois de tantos anos…atenção …não é uma reflexão sobre voltar de férias, coma cidade em movimento, é sobre voltar de encontro apenas com o que está guardado dentro do coração e que ninguém muda …. a vida de expatriado parece bonita para quem vê as fotos, mas o vazio que vai ficando ao longo dos anos, de nós mesmos, ninguém sabe explicar muito bem e meu desejo aos amigos queridos expatriados pelo mundo é de que possam de vez em quando voltar assim, crus…

Voltei para tudo que é verdadeiramente meu…
Minha cidade natal
Meu sol quente e iluminado
Minha casa simples, arejada e iluminada de infância e adolescência…
Voltei para o balanço da rede com cabelo molhado ao som de músicas que cantam a minha vida e me emocionam pelo rádio na Atlântico FM que meu amado pai tanto escutava…
Voltei para os vários banhos gelados diários que energizam o tempo todo…
Voltei para o canto lindo dos bem-te- vis todo final de tarde na varandinha de casa.
Voltei para os vídeos de infância e adolescência e para os sonhos e teorias que eu deixei lá …
Voltei para as fotos de família e para as lembranças das gargalhadas tão naturais que nos alimentavam a alma …
Voltei para o olhar carinhoso e empático da minha mãe e para o abraço amigável e doce da minha tia-mãe…
Voltei para a emoção de ser eu mesma na minha fragilidade tropical, brasileira, filha, irmã, sobrinha, neta e agora mãe… aqui na minha terra madre….
Voltei para meus livros espíritas que mais parecem terapia para alma e para as fotos dos sonhos que realizei ainda tão novinha: formatura, trabalhos, descobrimentos, encontros…
Pátria amada, obrigada por me permitir voltar a sentir o que eu tanto precisava sentir…

🇧🇷
Karolina Maia- Quarentena de epidemia – abril 2020, Fortaleza Brasil….

 

 

Eu venho das dunas brancas
Onde eu queria ficar
Deitando os olhos cansados
Por onde a vida alcançar
Meu céu é pleno de paz
Sem chaminés ou fumaça
No peito enganos mil
Na Terra é pleno abril
Eu tenho a mão que aperreia, eu tenho o sol e areia
Eu sou da América, sul da América, South America
Eu sou a nata do lixo, eu sou o luxo da aldeia, eu sou do Ceará
Aldeia, Aldeota, estou batendo na porta prá lhe aperriá
Prá lhe aperriá, prá lhe aperriá
Eu sou a nata do lixo, eu sou o luxo da aldeia, eu sou do Ceará
A Praia do Futuro, o farol velho e o novo são os olhos do mar
São os olhos do mar, são os olhos do mar…

 

Anúncios

Deixe uma resposta